ESPOSENDENSES - NA RIBEIRA OU NO MUNDO

O encontro de todos os filhos ou rendidos ao Privilégio da Natureza

Exibições: 51

Comentar

Você precisa ser um membro de ESPOSENDENSES - NA RIBEIRA OU NO MUNDO para adicionar comentários!

Entrar em ESPOSENDENSES - NA RIBEIRA OU NO MUNDO

Comentário de Maria Paula Fernandes Ferreira em 25 abril 2014 às 10:09

Aleluia!,Luisinha.  

Há já uns tempinhos que não a via por cá. Eu também andei um pouco afastada por causa do meu P.C. que teve uns problemas .

Deve ter sido maravilhoso este espectáculo e tanto mais maravilhoso com a participação dos familiares.  

Um beijinhoo grande.   

Comentário de Luisa Lamela Gomes dos Santos em 25 abril 2014 às 1:08

Acabo de chegar de um espectáculo, no Teatro Circo de Braga (seguramente uma das melhores salas de espectáculos do norte do país), onde assisti a um concerto memorável, comemorativo dos 40 anos do 25 de Abril.

Senti-me, durante todo o espectáculo, muito emocionada e orgulhosa _ o meu neto mais velho era o mais jovem elemento da orquestra do Conservatório Calouste Gulbenkian de Braga, onde estuda, integrando, cheio de garbo e entusiasmo, o naipe dos trombonistas. Tão mais pequenino que os outros que tivemos de esticar o pescoço para o vermos (fui com o pai, o irmão mais novo e os outros avós). Enquanto ele tocava, a mãe, a nossa Claudinha, cantava no Coro de Pais dos Alunos do Conservatório.

Um momento de grande brilho e esplendor, que me emocionou, sobretudo por ver a minha filha cantar Zeca Afonso, José Mário Branco, Adriano Correia de Oliveira e outros. Mais emocionante ainda, o meu neto, de 12 anos, tocou com mestria o Menino do Bairro Negro, Os Vampiros, o Amigo Maior que o Pensamento, a Trova do Vento que Passa e outros temas que, emoção das emoções, o nosso pai cantava às escondidas.

Foi uma festa fantástica, que pôs a cantar de pé todo um Teatro Circo completamente lotado, quando chegou o momento da Grândola Vila Morena.

Viva o 25 de Abril, amigos, que nos devolveu a liberdade de cantar, alto e sem medo, «ELES COMEM TUDO E NÃO DEIXAM NADA», conjugando o verbo no tempo presente, como diz o texto e como diz a realidade actual. 

© 2021   Criado por José Alexandre Areia L Basto.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço